Postagens populares

domingo, novembro 28, 2004

O PAVÃO ABRE-E-FECHA



Um pavão se pavoneava na beira do lago, se olhava na água e se perguntava:
- Sou feio? Sou bonito?
Quando via a cauda aberta em leque, toda verde, roxa e azul-brilhante, se achava
lindo e elegante.
Mas quando olhava os pés e seu andar desajeitado, ficava até desanimado. E se escondia envergonhado.
Um dia, ele recebeu um convite para uma festa do céu, que devia ser mais bonita que a tal do sapo. Abriu e perguntou:
- Será que isso é bom? Será que isso é ruim?
Sempre que precisava ter opinião, ficava assim.
- Claro que é bom – disse o pombo-correio. – Festa é sempre bom.
E ele achou que era bom.
Abriu a cauda e ficou se pavoneando. Depois, ensaiou uns passos de dança. E ouviu
as gargalhadas de um tangará dançarino que, bem ao seu lado, que treinava para a festança:
- Que bicho mais desajeitado! Este baile vai ser engraçado...
Ficou todo sem graça e se fechou.
Aí chegou um pardal e assim falou:
- Que tristeza é essa?
- É que eu danço esquisito...
- E quem vai reparar nisso num bicho tão bonito?
E o pavão, elogiado, abriu a cauda com pena pra todo lado.
Mas, de mau jeito, acabou perdendo uma, lá no canto direito.
Foi uma tristeza danada. E lá ficou de novo, todo encolhido, de cara amarrada.
- Por que todo esse aborrecimento? – perguntou o periquito, que passava nesse momento.
- Perdi uma pena e isso é ruim.
- Ruim uma ova. É sinal de que vai ganhar outra bem nova.
Com isso, o pavão se animou e abriu seu leque.
Aí chegou o bem-te-vi e riu muito moleque:
- Olha o pavão de rabo banguela!
Já se sabe: o pavão encolheu a cauda, tratou se sumir com ela.
E ficou assim a tarde toda, abrindo e fechando, abrindo e fechando, mudando de
idéia com cada bicho que ia encontrando.
No fim do dia estava vesgo, suado, cansado, espandongado, de língua de fora, exausto de abrir e fechar toda hora.
Resolveu: não ia mais. Mas também não ficava ali para todo mundo rir dele. Viu uma moita e se escondeu atrás.
Aí ouviu uma conversa do outro lado:
- Nem agüento mais esperar o baile. Que festança vai ser essa...
- É mesmo! Comida boa, água fresquinha, muitos amigos e música à beça...
O pavão foi até lá, ver quem tinha tanta animação.
Não era pássaro colorido, nem dançarino, nem de boa canção.
Era um casal de urubus.
Foi a vez do pavão rir deles, abrindo suas penas verdes e azuis.
- Vocês não se envergonham? Feios assim e cheirando ruim?
Quando vocês dançarem, todo mundo vai rir.
- Vai nada... – respondeu o urubu. – Todo mundo está mais ocupado, tratando de comer e beber, de cantar, de se ver e conversar. E se alguém quiser, pode rir. Não por isso que vou deixar de me divertir.
E a urubua completou:
- E tem mais: não tem essa de feio e fedorento, não, ouviu?
Urubu é tão bonito, da cor do Jamelão e do jaguar, da jabuticaba e da noite sem luar...
Enquanto o pavão abria o bico e se espantava, ela continuava:
- Você é que é feioso, com esse rabo escandaloso, abrindo e fechando que nem gaveta. E nem ao menos é de cor preta. Todo esse verde, roxo e azul, cheio de bolinha...
Mas a última coisa que disse foi com um sorriso matreiro e olhar dengoso:
- O que vale é que você tem uns pés que são mesmo uma gracinha... E depois, isso de bonito ou feio é só questão de recheio.
Aí o pavão teve que rir.
E depois que os dois saíram voando, ele ficou pensando:
- Feiúra de lixo ou beleza de artista não depende do bicho, mas do ponto de vista. Cada um é diferente e o que importa é mesmo a gente. E lá foi ele animadíssimo para uma festa bem divertida.
Ainda bem. Se não, ficava naquele abre-e-fecha toda vida.
(Livre Adaptação de O pavão-abre-e- fecha de Ana Maria Machado)

2 comentários:

Andréa Muroni disse...

Que gracinha. Parece eu pra fazer compras.
Legal a moral desta história, creio que muito boa para ser contada na faixa etária dos 6 aos 8 anos, qdo eles estão formando sua opinião a respeito do mundo de forma mais concreta. E tbém, sendo cruéis e tiranos com os amiguinhos. Ai, valha-me deus, ainda bem que já cresci um pouquinho...

laura v. disse...

que incrível!!!